Bairro São Mateus: conheça um dos bairros queridos de Juiz de Fora


O bairro São Mateus é uma das regiões mais movimentadas de Juiz de Fora. Seja por sua localização privilegiada ou pelas oportunidades de comércio, a região é tradicionalmente uma das preferidas na hora de buscar um novo imóvel.

Se você está pensando em se mudar para o bairro São Mateus, esse texto é para você. Vamos apresentar um pouco dos principais diferenciais da região, apresentando os motivos que fazem com que ele seja uma excelente opção para moradia.

Vamos lá?

O que você precisa conhecer sobre o bairro São Mateus

São vários os motivos que tornam o bairro São Mateus uma das melhores regiões de Juiz de Fora para se morar. Elencamos alguns dos principais benefícios:

  • Localização privilegiada.
  • Facilidade de locomoção.
  • Vasto comércio e opções de serviços próximo.
  • Diversidade de bares e restaurantes. 
  • É um bairro tranquilo.
  • Muitas opções e variedades de imóveis. 

Leia também: Conheça quais são os 5 melhores bairros de Juiz de Fora para morar. 
Como alugar ou comprar imóveis em JF 
Aluguel sem fiador em Juiz de Fora: como funciona? 
Qual o custo de vida em Juiz de Fora?

Ainda não se convenceu? Então continue a leitura e descubra um pouco mais sobre a região.

Localização estratégica

O bairro  conta com uma localização privilegiada, próximo ao centro da cidade e às principais regiões da cidade. Se você procura facilidade de locomoção na sua rotina, você com certeza deve considerar se mudar para o São Mateus.

Transporte: além de ter linhas de ônibus que passam pela Rua São Mateus, o bairro também fica próximo a Avenida Itamar Franco, onde inúmeras linhas dão acesso a vários bairros da cidade.

Para quem trabalha ou estuda em algum local mais afastado e pretende morar em um bairro mais tranquilo, o São Mateus é uma ótima indicação principalmente por causa dessa facilidade de locomoção e acesso.

Além disso, o bairro está próximo de dois shoppings (Independência e Alameda), vários colégios de renome na cidade.

Variedade de comércio e serviços

Tudo o que você precisa na sua rotina você encontra no Bairro São Mateus. Supermercados, farmácias, lotéricas, bancos, lojas de vestuário e acessórios e muito mais.

Portanto, quem mora na região não precisa ir muito longe para resolver as principais pendências do dia a dia. O bairro tem sido a localização escolhida por muitas empresas também, principalmente pela localização estratégica.

Variedade de bares e restaurantes 

A vida noturna do bairro São Mateus é uma das mais famosas de Juiz de Fora. A região conta com alguns dos bares e restaurantes mais movimentados da cidade.

Durante o dia você encontra opções de restaurantes para todos os gostos, e bolsos também. E à noite os bares como o São Bartolomeu e o Studio B movimentam a região.

Este é um dos motivos que atraem muitos jovens para o São Mateus, além claro da grande variedade de imóveis disponíveis para venda/locação.

Imóveis no bairro São Mateus na Universal Imóveis

A Universal Imóveis conta com o maior acervo imobiliário de Juiz de Fora, tudo para você ter certeza de encontrar aqui a opção perfeita para você.

Temos várias opções disponíveis, acesse nosso site e conheça os imóveis que temos tanto para Venda quanto para Aluguel.

Qual o custo de vida em Juiz de Fora?

Qual o custo de vida em Juiz de Fora?

O custo de vida em Juiz de Fora é um dos motivos que fazem com que muitas pessoas tenham interesse em se mudar para a cidade. Afinal, aqui é uma cidade relativamente grande, mas que preserva características de municípios menores.

Logo, o custo para se morar na região é muito interessante para quem busca um grande centro empresarial, mas quer fugir das grandes metrópoles.

Se você está pensando em se mudar para região e quer entender mais sobre qual o custo de vida em Juiz de Fora, esse texto é para você. Continue a leitura e conheça um pouco sobre a rotina na cidade.

Conheça Juiz de Fora! 

Juiz de Fora é uma cidade de porte médio e conta com cerca de 500 mil habitantes. A cidade está localizada na Zona da Mata em Minas Gerais.

A temperatura média na cidade é de 20°C, mas fique preparado para mudanças a qualquer momento ao longo do dia. Uma das características climáticas da região é a imprevisibilidade. A dica de quem mora por aqui é sempre sair com um guarda-chuva e um casaco, porque o tempo pode virar a qualquer momento.

Benefícios de morar em Juiz de Fora

Se você busca um lugar com mais segurança, conforto e que ainda assim seja uma cidade desenvolvida, Juiz de Fora é a opção ideal para você.

Um diferencial da cidade é a sua localização estratégica, pois ela fica entre os principais pólos econômicos do Sudeste: Rio de Janeiro, Belo Horizonte e São Paulo. Portanto, a cidade se torna um ponto estratégico para quem precisa se locomover para um desses locais.

Fizemos uma lista com alguns dos principais motivos para você se mudar para a cidade:

  • Clima ameno da cidade;
  • É uma cidade universitária;
  • Polo empresarial em ascensão;
  • Cidade pacata se comparada às grandes metrópoles;
  • Cenário gastronômico diverso;
  • Variedade de programas culturais.

Clique aqui e conheça 7 motivos para morar em Juiz de Fora

Entenda como é o custo de vida em Juiz de Fora 

O custo de vida em Juiz de Fora é muito atrativo principalmente se levado em consideração o desenvolvimento da cidade.

Ou seja, você estará vivendo em uma cidade desenvolvida, que conta com a maioria dos serviços e oportunidades de grandes centros, como São Paulo e Rio de Janeiro. Com a vantagem de que os custos de morar aqui serão muito menores do se comparado às cidades citadas.

O site Custo de Vida faz um levantamento dos preços de serviços em cidades de todo o país. Para isso, eles contam com a colaboração dos próprios moradores dos municípios.

Confira então qual é o custo de vida em Juiz de Fora com base nestes valores:

Bar e Restaurante

Almoço em restaurante barato: R$ 12,32
Almoço em restaurante caro: R$ 66,32
Cerveja garrafa: R$ 7,44
Cerveja lata: R$ 3,54
Chopp : R$ 9,17
Coca-cola 2 litros: R$ 7,70
Cafezinho: R$ 1,71
Entrada em boate: R$ 44,29

Supermercado

Leite 1 litro: R$ 2,93
Pão francês (kg): R$ 11,55
Arroz (5kg): R$ 12,49
Açúcar (5kg): R$ 9,14
Feijão (1kg): R$ 5,35
Café (pacote de 500g): R$ 8,51
Óleo de soja litro: R$ 3,40

Transporte

Ônibus: R$ 3,35
Taxi bandeirada (tarifa normal): R$ 5,50
Taxi 1km (tarifa normal): R$ 8,43
Gasolina litro : R$ 4,78
Etanol litro: R$ 3,04
1 hora de estacionamento na região central: R$ 7,50


Esporte, Lazer e Cultura

Ingresso cinema (inteira): R$ 23,63
Ingresso cinema 3D (inteira): R$ 29,75
Mensalidade musculação: R$ 87,21
Ingresso teatro: R$ 36,67

Educação

Mensalidade pré-escola: R$ 600,00
Mensalidade ensino fundamental: R$ 700,00
Mensalidade ensino médio : R$ 1.036,00
Mensalidade faculdade (curso de Administração): R$ 800,00

Leia também: 
Os 5 melhores bairros de Juiz de Fora para morar
Como alugar ou comprar imóvel em Juiz de Fora?
Casas para alugar em Juiz de Fora: como escolher a ideal?

Casa ou apartamento: qual a melhor opção para você?


Uma dúvida muito comum para quem pretende se mudar em breve é em relação à escolha do tipo de imóvel. Afinal, qual é a melhor casa ou apartamento?

Antes de tomar essa decisão você precisa avaliar as vantagens e desvantagens de cada uma dessas modalidades de moradia. Feito isso você será capaz de escolher aquela que melhor se encaixa nas suas necessidades e expectativas.

Fizemos uma lista com alguns pontos positivos e negativos para ajudá-lo na decisão entre casa ou apartamento. Confira!

Como escolher entre casa ou apartamento? 

Atualmente os apartamentos são modalidades de moradia mais procurados, além disso essa é a opção com mais oferta no mercado imobiliário. Hoje em dia com a urbanização, se tornou muito mais difícil encontrar casas nas cidades, ainda mais se for nos grandes centros.

Porém há ainda quem prefira a boa e tradicional casa. Listamos as principais vantagens e desvantagens de cada uma delas para ajudá-lo a decidir entre casa ou apartamento. Confira!

Por que morar em casa? 

Um dos principais motivos que levam as pessoas a optar por morar em casa ao invés de apartamento é pela privacidade proporcionada. Neste tipo de moradia não é preciso conviver com vizinhos logo ao lado, como é o caso dos apartamentos.

Além disso, geralmente o espaço de uma casa costuma ser maior do que de um apartamento. Sem falar do fato de que a maioria das casas possuem mais possibilidade de lazer, como piscina, espaços em que podem ser cultivado um jardim, etc. O espaço é um ponto positivo principalmente para famílias com crianças pequenas.

Outro benefício de morar em casa é o fato de que não é necessário seguir regras de convivência. Na sua casa quem impõe as regras é você. Mas claro, sempre com bom senso, pois você ainda estará dividindo um espaço com outras pessoas no bairro.

Desvantagens de morar em casa 

Uma das principais desvantagens de morar em casa e provavelmente a que mais leva as pessoas a desistirem desse tipo de moradia é em relação a segurança. Ter o controle da segurança de uma casa é muito mais difícil do que em um apartamento.

Caso você queira aumentar a segurança o investimento deverá ser todo seu. E isso já acaba sendo incluso no pacote do apartamento, o que de certa forma é um jeito de economizar.

Por que morar em apartamento? 

Entre casa ou apartamento porque a segunda é a melhor opção? O primeiro ponto é o fato de que, o mercado imobiliário oferece muito mais opções de imóveis deste tipo.

Logo você terá uma variedade bem maior de opções de imóveis para avaliar e encontrar o ideal para você. Isso sem falar que, os apartamentos costumam dominar os grandes centros urbanos.

Outro ponto positivo é que, como já citamos acima a segurança no apartamento já é algo incluso no pacote. As pessoas geralmente se sentem muito mais seguras neste tipo de moradia, que costumam contar com câmeras de segurança, porteiro 24 horas etc.

Os imóveis mais modernos hoje em dia também contam com uma grande variedade de serviços de lazer dentro do próprio condomínio. Com isso, você pode ter à disposição serviços como academia, piscina, sauna, dentre outros.

Desvantagens do apartamento 

Uma das principais desvantagens do apartamento é a sensação de falta de privacidade. Sem falar das regras de convivência dos condomínios, motivo que sempre costuma gerar atritos entre os moradores.

Opções de casa ou apartamento na Universal Imóveis

Seja qual for a sua escolha de imóvel, na dúvida entre casa ou apartamento, na Universal você encontra o imóvel perfeito para atender às suas necessidades.

Aqui você encontra o maior acervo de imóveis de Juiz de Fora, com diversas opções tanto para aluguel quanto para compra. Clique aqui e encontre o lar ideal para você agora mesmo.

Decoração de banheiro pequeno: veja dicas e ideias


A decoração de banheiro pequeno pode fazer toda diferença para otimizar o espaço do ambiente, deixando-o mais bonito e funcional. Por isso, as escolhas de móveis, cores e objetos que vai instalar nos espaços pequenos devem ser muito bem pensadas.

Para ajudá-lo com essa tarefa listamos algumas dicas e ideias simples que você pode seguir para a decoração de banheiro pequeno e aplicar no seu imóvel. Confira!

Escolha de móveis em banheiros pequenos

A escolha dos móveis tem um papel fundamental para que a decoração de banheiro pequeno possa ajudar a otimizar o espaço.

Ambientes pequenos demandam móveis práticos, que sejam funcionais e não atrapalhem a passagem das pessoas. Por isso, uma boa dica é saber utilizar bem os pequenos espaços do cômodo.

Você pode instalar prateleiras ou nichos nas paredes para aproveitar melhor o espaço do banheiro. Esses móveis podem ser utilizados para guardar itens de higiene como papel, toalhas, além de produtos de beleza.

Importante: os nichos devem ter algum revestimento ou tratamento que o torne impermeável para evitar qualquer tipo de infiltração

Decoração de banheiros pequenos

As pequenas escolhas podem fazer toda a diferença na decoração de banheiros pequenos. São os detalhes que vão ajudar a otimizar o espaço e deixá-lo mais charmoso.

As cores do ambiente, objetos decorativos, disposição dos móveis, a escolha do revestimento, são todos itens que devem ser pensados em conjunto na hora de elaborar a decoração de banheiros pequenos.

Olha só algumas dicas e ideias que preparamos:

Escolhe bem o espelho

Essa é uma das principais estratégias na arquitetura para otimizar o ambiente na decoração de banheiro pequeno. Isso porque o reflexo dos espelhos vão dar a sensação de amplitude no ambiente.

Separamos algumas dicas de como aplicar o espelho no seu banheiro:

  • Espelhos redondos: uma das principais tendência na decoração de interiores, os espelhos arredondados contribuem para a criação de um ambiente moderno e descolado.
  • Uma tática muito utilizada na decoração de ambientes é o uso de espelhos recortados, eles ajudam a quebrar um pouco a seriedade que um espelho completo pode passar. 
  • Espelhos de tamanhos diferentes: usar espelhos com o mesmo formato em tamanhos diversos ajudam a compor um ambiente minimalista e sofisticado ao mesmo tempo. 
  • A dimensão do espelho que você deseja irá influenciar na sua espessura. Locais que demanda peças muito grandes, deve-se utilizar espelhos de cerca de 5mm. 

A escolha das cores

A grande aposta na decoração de banheiro pequeno é nas cores neutras. Isso porque elas ajudam a dar uma sensação de amplitude no ambiente. Além disso, deixam as possibilidades mais abertas para investir na composição da decoração.

E se você gosta de um ambiente mais colorido pode apostar em focos de cores estratégicos. Como por exemplo, no revestimento do espelho ou até com alguns quadros no ambiente.

Metais e revestimento

O mercado oferece atualmente uma série de possibilidade para inovar na escolha de metais para o banheiro. Passou aquela época que só haviam as simples e tradicionais torneiras de prata.

Uma das últimas tendências em decoração de banheiro pequeno é inovar nesta escolha. A opção em rosê, por exemplo, é uma opção que está super em alta e que deixa o banheiro moderno.

Já para o revestimento, uma boa opção é o porcelanato, que além de ajuda a criar um espaço moderno, também facilita a limpeza no local.

Você pode optar também pelas tradicionais pastilhas ou quem sabe inovar com um piso de cimento queimado impermeabilizado?

Veja também: Dicas de decoração para apartamentos pequenos
Decoração de kitnet: dicas para otimizar o espaço
Decoração para apartamento alugado: dicas para personalizar o espaço

Casas para alugar em Juiz de Fora: como escolher a ideal?

Casas para alugar em Juiz de Fora

São diversas as opções de casas para alugar em Juiz de Fora. Mas como fazer a escolha perfeita para suas necessidades de uso? Preparamos algumas dicas que podem ajudá-lo nessa decisão. Confira!

Avalie as suas necessidades 

Antes de começar a procurar casas para alugar em Juiz de Fora você precisa definir quais são as suas necessidades de uso. Feita essa avaliação, você será capaz de fazer uma filtragem mais assertiva para encontrar o imóvel perfeito.

Para isso, você terá que avaliar variáveis como a localização, o número de cômodos necessários, o orçamento disponível, etc. Entenda cada uma dessas ponderações:

Definição da localização 

A localização do imóvel é um dos fatores que mais influenciam na decisão de qual imóvel alugar. Logo, quando for procurar por casas para alugar em Juiz de Fora você deve avaliar, por exemplo, a logística de mobilidade na cidade.

Isso é importante, pois, muitas vezes as pessoas dão preferência para alugar imóveis que sejam próximos ao trabalho ou faculdade. Você deve então ponderar se a facilidade de mobilidade é um fator que você prioriza nessa procura.

Se este for o caso, defina quais são os bairros mais próximos para sua realidade e comece a busca a partir daí. Geralmente, as regiões mais buscadas são as centrais, uma vez que são os locais onde estão localizados a maioria dos comércios e serviços da cidade.

Quantos cômodos será necessário? 

O tamanho da sua família é um dos fatores que deve ser levado em consideração no momento de filtrar as opções de casas para alugar em Juiz de Fora.

Quantos quartos são necessários para sua família? Há possibilidade dos quartos serem compartilhados? Se você tem criança pequena, por exemplo, é importante buscar por imóveis maiores que tenham mais espaço para ela explorar o ambiente, com segurança, claro.

Defina o seu orçamento

Essa é outro item importante a ser considerado no momento de escolher um imóvel para alugar em Juiz de Fora.

Quanto você está disposto a pagar? E, além das despesas com aluguel, condomínio, luz, água e demais contas, você deve levar em consideração também o valor que será gasto para deslocamento.

Por exemplo, se você tem algum veículo: quanto de gasolina será gasto na sua rotina? Agora se você usa transporte público deve-se perguntar qual o valor será gasto com passagem.

Essas informações são importantes pois nem sempre o imóvel mais barato terá o melhor custo benefício no final do mês quando levado em conta tudo isso.

Leia também: Os 5 melhores bairros de Juiz de Fora para morar
7 motivos para morar em Juiz de Fora
Aluguel sem fiador em Juiz de Fora: como alugar rápido?
Como alugar ou comprar imóvel em Juiz de Fora?

Opções de casas para alugar em Juiz de Fora na Universal Imóveis

 A Universal Imóveis conta com um dos maiores acervos imobiliários da cidade. São diversas as opções de casas para alugar em Juiz de Fora, tem imóvel de diferentes tamanhos e valores em diversos bairros da cidade.

Selecionamos algumas opções de casas para alugar em JF que podem ser ideais para sua necessidade de uso. Confira!

Casa duplex, localizado em condomínio fechado no Spina Ville II, com 450 m² por R$4.500/mês. O imóvel conta com 4 quartos, sendo 4 suítes, 6 banheiros, hidromassagem, sauna e muito mais. Saiba mais sobre o imóvel aqui. 

Casas para alugar em Juiz de Fora - Spinaville


Casa com 1 quarto para alugar, 75 m² por R$ 590/mês no bairro Ipiranga. O imóvel está localizado próximo a Escola Bela Aurora, com cozinha conjugada com a área de serviço. Quarto, sala ampla, banheiro e garagem. Clique aqui para mais informações. 

Casas para alugar em Juiz de Fora - Ipiranga


Casa com 2 quartos para alugar, 65 m² por R$ 1.810/mês no bairro São Mateus. Clique aqui e saiba mais sobre o imóvel.


Casas para alugar em Juiz de Fora - São Mateus

Sindico paga condominio? Tire sua dúvida!


Uma dúvida muito comum de quem mora em condomínio é: afinal, síndico paga condomínio? Ou há algum tipo de salário pelos serviços prestados? Esses direcionamentos estão previstos em alguma legislação?

No texto a seguir vamos esclarecer as principais dúvidas a respeito da atuação do síndico no condomínio. Confira!

Afinal, síndico paga condomínio? 

O pagamento ou não da taxa condominial pelo síndico vai depender das definições impostas na convenção de cada condomínio.

Ou seja, não há uma regra geral que diz que se o sindico paga condomínio ou não. O mesmo vale para o pagamento de um salário. Todas essas informações devem ser definidas pelos condôminos em assembleia.

Entretanto, o mais comum nos condomínios atualmente é que o síndico fique isento do pagamento da taxa condominial. Afinal, o mesmo está prestando um trabalho em prol do edifício em geral, há uma dedicação de tempo e esforço, e por isso ele acaba recebendo uma remuneração direta ou indireta.

Remuneração direta x remuneração indireta 

A remuneração do síndico ocorre geralmente de forma direta ou indireta. Entenda:

Direta: este tipo de remuneração é o equivalente a um salário que o síndico recebe. Ela não está prevista em nenhuma legislação, portanto, não um piso ou teto para determinação do valor. Essa definição também fica a cargo da convenção condominial.

Indireta: a remuneração indireta é quando o síndico fica isento do pagamento da taxa de condomínio. Essa isenção pode ser tanto integral, quanto parcial. Por exemplo, o síndico pode ficar isento do pagamento apenas das taxas ordinárias, sendo ainda necessário o pagamento das cotas extraordinárias.

Como funciona a Convenção de Condomínio? 

Como dissemos acima, a definição se o síndico paga condomínio ou não deve estar prevista na convenção de condomínio.

A convenção do condomínio, juntamente com o regimento interno são direcionamentos mais personalizados de cada espaço. Ou seja, são as regras personalizadas de cada edifício.

Entenda a diferença entre os dois:

Convenção do condomínio: é o documento que trata sobre a estrutura do local e os direitos fundamentais de todos os condôminos. Deve estabelecer a forma de convocação e deliberação nas Assembleias, as atribuições do Síndico e Conselho, a forma de cobrança, o modo de aplicação de penalidades, etc.

Regimento interno: diz respeito à regras de convivência entre os moradores. Se existir algum tipo de conflito entre a convenção e o regimento interno do condomínio, deverá prevalecer aquilo que foi estabelecido pela convenção.

Leia também: Lei de Condomínio: principais regras que você precisa saber

Responsabilidades do síndico

O artigo 1.348 do Código Civil elenca quais são as principais responsabilidades do síndico em sua administração. São elas:

  • Convocar a assembléia dos condôminos;
  • Representar, ativa e passivamente, o condomínio, praticando, em juízo ou fora dele, os atos necessários à defesa dos interesses comuns;
  • Dar imediato conhecimento à assembléia da existência de procedimento judicial ou administrativo, de interesse do condomínio;
  • Cumprir e fazer cumprir a convenção, o regimento interno e as determinações da assembléia;
  • Diligenciar a conservação e a guarda das partes comuns e zelar pela prestação dos serviços que interessem aos possuidores;
  • Elaborar o orçamento da receita e da despesa relativa a cada ano;
  • Cobrar dos condôminos as suas contribuições, bem como impor e cobrar as multas devidas;
  • Prestar contas à assembléia, anualmente e quando exigidas;
  • Realizar o seguro da edificação.

Leia mais: Inquilino pode ser síndico? Descubra!
Vida de Condomínio: direitos, deveres e responsabilidades
Subsíndico: qual a sua função na gestão de um condomínio?
Síndico profissional: o que é e quais suas funções no condomínio?

Sonho da casa própria: dicas para comprar seu imóvel


Um dos maiores objetivos de vida de grande parte da população é, com certeza, realizar o sonho da casa própria. Afinal, quem não quer se livrar da renda fixa do aluguel e ter um espaço para chamar de seu?

Se você quer mesmo atingir esse objetivo é preciso que tenha um planejamento muito bem definido. Mas por onde começar então? O que deve ser avaliado para encontrar o imóvel ideal para comprar?

A seguir vamos apresentar algumas dicas importantes que vão ajudá-lo a comprar o seu imóvel. Confira!

Como realizar o sonho da casa própria? 

Se você quer realizar o sonho da casa própria mas não sabe por onde começar, aqui vai algumas dicas:

  1. Comece avaliando sua situação financeira
  2. Estipule um objetivo: até quando você pretende realizar o sonho da casa própria? 
  3. Economize e, se possível, tente conseguir alguma renda extra. 
  4. Conheças as opções disponíveis de financiamento
  5. Procure imóveis que se encaixam dentro da sua realidade financeira

A partir destes passos você já vai conseguir ter uma visão muito mais clara de um planejamento para adquirir um imóvel. E com isso, será capaz de tomar uma decisão mais segura e consciente.

Avaliando sua situação financeira

A decisão de se comprometer com um financiamento de imóveis deve ser feita após um planejamento minucioso e consciente, para que no futuro isso não vire uma dor de cabeça.

Para ajudá-lo (a) se faça os seguintes questionamentos:

  • Quanto sobra do seu salário no final do mês? 
  • É o suficiente para arcar com os gastos? 
  • É possível reduzir alguns gastos atuais para auxiliar no financiamento? 
  • Há quanto tempo você tem uma saúde financeira estável?

São muitos pontos a serem avaliados, mas não precisa se desesperar ainda. Atualmente existem muitas facilidades para obter um financiamento.

Na maioria dos bancos o comprador precisa ter no mínimo 20% do valor do imóvel para conseguir financiá-lo. Alguns como Caixa, Banco do Brasil e Pan Sua Casa exigem apenas 10% de contrapartida do comprador.

O valor pode ser pago total ou parcialmente ao vendedor do imóvel como sinal, uma parcela também pode ser paga quando o banco liberar o financiamento. Tudo irá depender da negociação com o vendedor.

Tenha um objetivo e economize

O que você faz de fato para realizar o sonho da casa própria? Adquirir um imóvel pode parecer uma realidade muito distante, mas não é bem assim.

Você só precisa entender qual é a sua realidade. Conhecer quais são as opções disponíveis no mercado, financeiramente falando, para realizar esse sonho. E traçar meios de como alcançar esse objetivo.

Por exemplo, digamos que você é recém formado, está no seu primeiro emprego e já começou a ficar intrigado a comprar um imóvel. Qual quantia você poderia separar para isso? Em quanto tempo você gostaria de já ter sua casa?

Então este será seu objetivo. A partir disso, claro, será necessário economizar em alguns pontos, cortar certos gastos desnecessários e, se possível conseguir alguma renda extra para não pesar tanto suas finanças.

Opções de financiamento

A melhor opção para realizar o sonho da casa própria é, claro, fazer a compra a vista. Dessa forma não entra na conta da compra as altas taxas de juros e é possível negociar descontos vantajosos. Porém, esta é uma realidade muito distante para grande parte da população.

Logo, as opções mais buscadas são o consórcio e financiamento imobiliário. O mais comum acaba sendo o financiamento mesmo. Há diversas opções disponíveis atualmente no mercado imobiliário para conseguir financiar um imóvel.

Dentre as mais comuns estão:

Financiamento através do FGTS

Isso mesmo, esse é um direito que todo trabalhador que tem carteira assinada possui.

O benefício funciona da seguinte maneira: mensalmente o empregador realiza um depósito equivalente a 8% do valor do salário do funcionário. Para retirar este valor é necessário que a pessoa não possua nenhum outro imóvel em seu nome.

O financiamento através do FGTS faz parte do sistema SFH (Sistema Financeiro de Habilitação), que é um mecanismo do Governo Federal direcionado para a compra do imóvel próprio.

SBPE

O Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimos é a opção de financiamento mais praticada quando os valores do imóvel em negociação estão fora das características e limites expostos no SFH.

Sua principal diferença para os demais financiamentos é uma taxa de juros mais elevado, que pode chegar a até mais de 12% ao ano.

SFI

Uma das opções de financiamento para realizar o sonho da casa própria é o SFI. O Sistema de Financiamento Imobiliário engloba os financiamentos imobiliários que não se encaixam na lei do SFH.

Ou seja, caso o imóvel possua um valor maior do que os limites que citamos acima. Nesse sistema de financiamento não pode ser utilizado o FGTS.

Clique aqui e entenda melhor sobre os principais sistemas de financiamento existentes. 

Dica! 

Antes de fechar qualquer negócio é importante avaliar todas as suas opções para encontrar aquele que melhor vai se encaixar na sua realidade.

Uma boa dica para avaliar suas possibilidades é fazer simulações de financiamento em diferentes bancos. Dessa forma, será possível avaliar como seria o valor das prestações e taxas de juros praticadas em cima do imóvel pretendido.

Leia também:
Primeiro imóvel: dicas importantes para acertar na escolha
Comprar ou alugar imóvel: o que vale mais a pena?

Aluguel direto com proprietário: por que essa não é uma escolha segura?


A opção de aluguel direto com o proprietário pode apresentar uma série de riscos na negociação. Portanto, se você está querendo se mudar em breve e está cogitando essa opção, é importante entender quais são esses riscos antes de tomar uma decisão.

No texto a seguir você vai entender melhor porque o aluguel direto com o proprietário não é uma escolha segura. Confira!

O aluguel direto com o proprietário é seguro?

A resposta no geral é não. Em alguns casos até pode ser uma negociação que dê certo realmente, entretanto, os riscos disso gerar uma dor de cabeça para algumas das partes são enormes.

São alguns dos principais riscos:

  • Documentação irregular.
  • Proprietário ou locatário podem ter seus direitos/deveres negligenciados.
  • Pode gerar atritos entre locador e inquilino.
  • Há risco de golpes.

Portanto, evite o aluguel direto com o proprietário se você não quer correr riscos na negociação e alugue seu imóvel direto com uma imobiliária.

Por que não é um bom negócio fechar o aluguel direto com o proprietário

Além dos riscos citados acima, ao alugar o imóvel direto com o proprietário você fica sujeito a uma série de situações em que algumas das partes envolvidas podem se sentir lesadas de alguma forma. Listamos algumas destas situações:

Proprietário ou inquilino podem não ter seus direitos assegurados

Este é, com certeza, um dos grandes riscos do aluguel direto com o proprietário. Afinal, tudo que envolve questões legais precisa ser tratado com muita responsabilidade. E os riscos de que haja alguma irregularidade em contratos deste tipo de negociação são enormes.

Isso acontece pois geralmente a negociação vai acontecer direto entre proprietário e inquilino, sem o devido suporte judicial.

E, como em todo tipo de transação comercial, a parte legal do contrato de aluguel é extremamente importante para que se esclareça e seja exercido os direitos e deveres de ambas as partes envolvidas.

Portanto, quando isso é feito de forma amadora, é muito provável que isso gere algum tipo de transtorno. E o pior é que, se isso acontecer, muito dificilmente você está assegurado, afinal, a parte legal do contrato não foi bem definida desde o princípio.

Resolução de problemas é dificultada

Quem vive de aluguel sabe que existe uma série de questões que surgem no decorrer do contrato em que é preciso acionar o proprietário. Por exemplo, quando há algum tipo de problema estrutural no imóvel ou algum problema hidráulico.

Quando isso acontece é importante contactar o responsável legal do imóvel para que ele tome as devidas providências. Afinal, o locatário não tem responsabilidade alguma de realizar reparos estruturais. Claro, desde que o mesmo não tenha sido os causado.

Neste sentido, quando há um intermédio de uma imobiliária esta situação pode ser resolvida de forma muito mais rápida. Esta, como mediadora de ambas as partes vai atuar no sentido de garantir que as providências sejam tomadas.

Clique aqui e saiba mais sobre a Lei do Inquilinato que aborda os direitos e deveres de ambas as partes. 

Desgaste no relacionamento

A relação direta entre locador e locatário pode gerar uma série de atritos. Principalmente em momentos mais delicados, como o de reajuste de aluguel, a necessidade de reparos no imóvel, como citado acima.

É neste momento que a imobiliária aparece com um papel importante de mediar essas situações. Ela atuará no sentido de garantir que os direitos e deveres de ambas as partes sejam assegurados.

Aluguel de imóveis na Universal

Agora que você já conhece todas os riscos do aluguel direto com o proprietário deu para perceber que não vale a pena realizar este tipo de negociação, concorda?

Quando você aluga um imóvel direto com a imobiliária você garante o respaldo de uma empresa especializada no mercado. Ou seja, é uma opção mais segura e que vai garantir mais tranquilidade durante o período de vigência do contrato.

Na Universal Imóveis você encontra o maior acervo de imóveis para aluguel de Juiz de Fora. Tem opções para todos os tipos e todos os bolsos. Clique aqui e encontre o imóvel perfeito para você

Leia Também: 

Qual a diferença entre Studio, Kitnet, Flat e Loft?


Você sabe qual é a diferença entre studio e kitnet? Se você procura praticidade para o seu dia a dia você precisa conhecer mais sobre essas opções de moradia.

O cotidiano moderno exige dinamicidade e é exatamente isso que este tipo de imóvel oferece. O mercado imobiliário percebeu isso e atualmente podemos encontrar diversas opções de moradia neste estilo.

Os imóveis mais comuns encontrados atualmente são: Studio, Kitnet, Flat e Loft. No texto a seguir vamos explicar quais são as principais características de cada um deles. Confira!

Benefícios de um apartamento compacto

Antes de explicar a diferença entre studio e kitnet, além das demais opções, vamos apresentar os principais motivos que tornam esta modalidade de moradia uma boa solução para você.

O ponto principal é que, apartamentos compactos compõem um ambiente prático e funcional, com garantia de qualidade de vida. Por isso, este modelo de imóvel se torna uma ótima opção para públicos que procuram mobilidade, ganho de tempo e conveniência.

Ambientes integradas são mais fáceis de manter organizado, simplificando consideravelmente a rotina. Se você fica pouco em casa e procura funcionalidade no dia a dia, essa pode ser a solução perfeita.

Diferença entre Studio e Kitnet e demais opções 

A principal característica desta modalidade de moradia é o fato de serem um ambiente compacto, com cerca de 40 metros quadrados. 

O que vai diferenciar cada um deles é a forma como são feitas as divisões internas de ambientes, assim como suas características estéticas. Entenda melhor a seguir:

O que é um apartamento Studio? 

Studios são apartamentos que contam com cômodos integrados e podem dispor de um dormitório delimitado com paredes. Geralmente estão localizados em áreas estratégicas das cidades, onde há boa infraestrutura de lazer e serviços.

Os studios residenciais geralmente possuem tamanhos que variam de 30m² a 70m². Esta nova modalidade de imóveis vêm para renovar o conceito de quitinetes, modernizando seu conceito para atender vários tipos de público.

Conheça o Raya Smart em Juiz de Fora! 


O Raya Smart é o mais novo empreendimento de Juiz de Fora e chegou com objetivo de atualizar o modo de morar das pessoas. Ele consiste em um studio de 1 quarto para uma geração prática e descomplicada, com o espaço ideal para se viver bem!

Apartamentos modernos, do tamanho das suas prioridades, com o lazer que você necessita e prontos para morar em 6 meses. Tudo cuidadosamente pensado, para tornar a vida de seus moradores uma experiência única de conforto e privacidade, e com padrão de qualidade superior da Raya Engenharia.

O que é uma Kitnet? 


As kitnets foram as precursoras para a criação de toda essa variedade de apartamento pequeno, podemos assim dizer. Geralmente, elas são compostas por ambientes mais simples e básicos, principalmente se comparado às demais opções.

Possuem uma sala conjugada ao quarto, com uma área próxima para a cozinha e com o banheiro separado por uma parede ou divisória.

O que é um Loft? 



A modalidade de moradia estilo loft surgiu dos antigos armazéns dos Estados Unidos. Por isso, uma característica muito marcante dessa opção de moradia é o fato de possuir uma decoração mais rústica, com um cenário bem industrial.

É comum que este tipo de imóvel possua um ambiente um pouco maior do que os 50 metros quadrados. E todos os ambientes ficam localizados em um único espaço.

Entretanto, por ter como característica o pé-direito alto, é comum que haja instalação de mezaninos. Esta solução é indicada para quem busca otimizar o espaço do ambiente e, normalmente, constrói-se ali o dormitório do loft.

Clique aqui e confira dicas de como aproveitar o mezanino para aumentar a área útil da sua casa.

O que é um Flat? 


O Flat é um tipo de apartamento muito comum nos filmes e novelas, sendo também conhecido como apart-hotel. O ambiente é separado por divisões para cada espaço como cozinha, quarto, copa e banheiro. 

Sua principal característica é o fato de que os flats tem à disposição serviços similares ao de um hotel, como lavanderia, lanchonete, limpeza, etc. É uma modalidade de moradia mais buscada por pessoas que procuram um espaço para alugar por um curto período.

Responsabilidade do síndico: conheça todas as suas funções e obrigações


Você sabe qual é a responsabilidade do síndico na gestão do condominial? Todo mundo que mora em condomínio sabe da importância dessa figura para a administração do local, e para a manutenção da ordem e qualidade de vida de todos os moradores. Mas muitos não sabem exatamente quais são as suas atribuições.

No texto a seguir vamos apresentar quais são as principais obrigações do síndico na administração do condomínio. Confira!

Função do síndico de acordo com a legislação

A lei que regulamenta a função de síndico é a de n° 10.406 do Código Civil, o documento estabelece que este deve cumprir o papel de:

“Representar ativa e passivamente o condomínio, em juízo ou fora dele, respondendo pelos atos necessários à defesa dos interesses comuns.”

O síndico é a figura responsável por representar o interesse de toda a comunidade condominial. O responsável por cumprir esse papel é escolhido em Assembleia Geral pela maioria dos moradores presentes.

Essa decisão deve estar discriminada na ata da reunião e deve ser levada para registro no Cartório de Registro de Documentos, com validade de dois anos

É importante deixar claro que, o síndico não é um empregado do condomínio, logo não lhe são aplicadas as normas regulamentadoras da legislação trabalhistas.

Responsabilidade do síndico segundo o Código Civil

O artigo 1.348 do Código Civil elenca quais são as principais responsabilidades do síndico em sua administração. São elas:

  • Convocar a assembléia dos condôminos;
  • Representar, ativa e passivamente, o condomínio, praticando, em juízo ou fora dele, os atos necessários à defesa dos interesses comuns;
  • Dar imediato conhecimento à assembléia da existência de procedimento judicial ou administrativo, de interesse do condomínio;
  • Cumprir e fazer cumprir a convenção, o regimento interno e as determinações da assembléia;
  • Diligenciar a conservação e a guarda das partes comuns e zelar pela prestação dos serviços que interessem aos possuidores;
  • Elaborar o orçamento da receita e da despesa relativa a cada ano;
  • Cobrar dos condôminos as suas contribuições, bem como impor e cobrar as multas devidas;
  • Prestar contas à assembléia, anualmente e quando exigidas;
  • Realizar o seguro da edificação.

O documento traz também de forma implícita a possibilidade de criação da função de subsíndico. Ou seja, a designação de uma outra pessoa responsável por auxiliá-lo em suas obrigações:

“Poderá a assembléia investir outra pessoa, em lugar do síndico, em poderes de representação.”

“O síndico pode transferir a outrem, total ou parcialmente, os poderes de representação ou as funções administrativas, mediante aprovação da assembléia, salvo disposição em contrário da convenção.”

Mas afinal, qual seria a função do subsíndico? Podemos descrever a função do subsíndico como sendo um braço direito do síndico na administração do condomínio. Quando a demanda gerencial se torna muito pesada, esse cargo aparece como solução para ajudar a direcionar melhor as demandas.

Clique aqui e entenda melhor o papel do subsíndico na administração de condomínios. 

É responsabilidade do síndico mediar tumultos no condomínio? 

O síndico atua como representante legal do condomínio, porém não cabe a ele intervir em eventuais brigas entre moradores, afinal ele não é uma autoridade em segurança.

Em casos de barulho em excesso, o papel do síndico é notificar o condômino em questão. Caso a infração venha a se repetir, ele deve aplicar as penalidades que estão previstas na convenção do condomínio ou no regulamento interno e, em última instância, pode-se recorrer ao Judiciário.

Em caso de ofensas pessoais ou agressões, aquele que se sentir lesado deve procurar os meios legais, com acionamento da força policial, se necessário.

Prestação de contas

É responsabilidade do síndico fazer a prestação de contas anual da sua administração. Tal medida está prevista no próprio Código Civil. A determinação visa a transparência e lisura da gestão condominial, de modo que fique claro para todos os moradores quais foram os gastos praticados ao longo do ano.

No documento de prestação de contas o síndico deve apresentar quais foram as despesas previstas dentro do planejamento financeiro designado pela Convenção Condominial. E, caso necessário, destacar gastos extraordinários que surgiram.

Para isso, deve-se arquivar todos os comprovantes de pagamento dos funcionários, além de guardar também as contas pagas durante o ano.

Leia também: Lei do silêncio em condomínios: como funciona?
Síndico profissional: o que é e quais suas funções no condomínio?
3 Dúvidas que todo mundo que mora em Condomínio tem
Vida de Condomínio: direitos, deveres e responsabilidades
Lei de Condomínio: principais regras que você precisa saber

Investir em imóveis: por que essa é uma ótima opção de negócio?


Agora é o melhor momento para investir em imóveis

Dados do mercado imobiliário indicam que este é um bom momento para investir em imóveis. Porém, muitas pessoas ainda têm receio em fazer um investimento imobiliário, muito por desconhecimento da dinâmica do setor.

Afinal, quais são os benefícios de fazer uma aplicação financeira em imóveis? No texto a seguir levantamos as principais informações que você precisa saber para investir em imóveis de forma segura. Confira!

Momento do mercado imobiliário 

Se você estava esperando o momento certo para investir em imóveis pode comemorar porque ele chegou. Nos últimos meses o setor vem registrando números favoráveis para quem busca mais segurança para fazer um investimento. 

Um dos principais indicadores que apontam para um maior aquecimento do mercado imobiliário é a redução da Selic. A taxa, hoje em 5,5% atingiu seu menor patamar desde a sua criação em 1996.

Mas, afinal, de que forma isso vai impactar no crédito imobiliário? Simples, a Selic tem influência direta nas taxas de financiamento cobradas pelos bancos. Como consequência dessa queda, praticamente todas as instituições financeiras reduziram, em média, 0,33% a taxa mínima para linhas de financiamento do mercado imobiliário.

A Caixa Econômica Federal definiu uma taxa efetiva mínima para imóveis de 7,5% ao ano, mais a TR (taxa referencial). 

Logo, a redução da Selic, somada com a inflação em baixa mais a estabilidade dos preços dos imóveis, criaram um cenário positivo para quem está querendo adquirir a casa própria, ou, principalmente investir em imóveis.

Fonte: InfoMoney

Por que é vantajoso investir em imóveis?

Como dissemos acima o bom momento da economia é um dos principais motivos que tornam a compra de um imóvel um bom investimento. Elencamos outros itens que fazem desse segmento um bom negócio. Confira!


Segurança 

A segurança que investir em imóveis representa é com certeza um dos principais atrativos desse tipo de negociação. Tal segurança acontece pois, por ser um patrimônio físico, o imóvel não pode ser confiscado ou congelado pelo Governo, como a poupança, por exemplo.

Além disso, esse tipo de investimento representa para o investir uma renda praticamente certa e vitalícia.

Benefícios fiscais

Dependendo da negociação ao realizar um investimento imobiliário você pode obter uma série de benefícios fiscais, obtendo deduções sobre os seguintes itens:

  • Juros de hipotecas
  • Fluxo de caixa de propriedades de investimento
  • Despesas operacionais e custos
  • Impostos sobre a propriedade
  • Seguro
  • Depreciação

Além disso, se a negociação envolve um imóvel residencial existe ainda a chance de você obter isenção do Imposto de Renda. Isso acontece caso a pessoa use todo o dinheiro da venda do imóvel na aquisição de um outro imóvel residencial em até 180 dias.

Valorização

Mesmo em períodos de crise no país, o setor imobiliários é um dos que menos sofrem impactos. Afinal, é um mercado que conta com uma alta procura durante todo o ano e conta com valorizações constantes.

Além disso, o valor das parcelas da compra de imóvel, o valor dos aluguéis, dentre outras transações do mercado imobiliário são automaticamente atualizados pelo Índice Nacional da Construção Civil (INCC), índice de inflação de preços do setor da construção civil.

O que observar na hora de escolher imóveis para investir

Está decidido que vai investir em imóveis? Então agora é o momento de escolher o que comprar. E essa decisão deve ser bastante estratégica.

Elencamos algumas dicas que podem ser seguidas para fazer uma compra vantajosa

  • Busque por regiões que estão valorizadas ou que apresentam potencial de crescimento. 
  • Faça pesquisas de mercado e busque por empreendimentos modernos e que se encaixe na realidade do público da sua região. 
  • Não exceda a sua realidade financeira
  • Opte por imóveis que permitam expansão futura. Com o tempo, você pode optar por realizar reformas para valorizá-lo ainda mais. 

Faça seu investimento com a Universal Imóveis

Além de contar com um extenso acervo de imóveis disponíveis em Juiz de Fora, a Universal também oferece oportunidade de compra de imóveis de vários novos empreendimentos na cidade.

Ou seja, você pode optar por investir em um imóvel já pronto e estruturado ou apostar em novos empreendimentos que estão chegando na cidade. Como é o caso do Condomínio Reserva das Pétalas e o Bom Pastor 360°. Independente de qual for sua escolha, aqui você encontra as melhores condições para investir em imóveis.

Direito de preferência: como funciona a venda de imóveis alugados



Se você vive de aluguel é muito importante conhecer o conceito do Direito de preferência. O termo está relacionado à compra e venda de imóveis alugados. Afinal, o que acontece no caso do proprietário querer vender o imóvel que está alugado para você?

É o que vamos explicar no texto a seguir. Você vai entender como funciona o exercício do direito de preferência, assim como conhecer qual o papel do proprietário e inquilino nesses casos. Continue a leitura e descubra!

O que diz a Lei do Inquilinato sobre o Direito de Preferência? 

O Artigo 27 da Lei do Inquilinato (Lei n° 8.245/91) traz a definição de Direito de Preferência:

“No caso de venda, promessa de venda, cessão ou promessa de cessão de direitos ou dação em pagamento, o locatário tem preferência para adquirir o imóvel locado, em igualdade de condições com terceiros, devendo o locador dar-lhe conhecimento do negócio mediante notificação judicial, extrajudicial ou outro meio de ciência inequívoca”.

Parágrafo único. “A comunicação deverá conter todas as condições do negócio e, em especial, o preço, a forma de pagamento, a existência de ônus reais, bem como o local e horário em que pode ser examinada a documentação pertinente."

Qual é o procedimento para venda do imóvel alugado? 

Como apresentado acima, o inquilino tem o direito de preferência para aquisição do imóvel. Portanto, quando o proprietário demonstrar a intenção da venda do imóvel, seu primeiro passo deve enviar uma notificação para o atual locatário.

Nesta notificação deve ser anunciada a intenção de venda, assim como todas as condições envolvidas no negócio, como explicamos no item anterior. O inquilino pode ou não aderir à preferência, para isso ele tem um prazo de 30 dias para apresentar sua decisão ao proprietário do imóvel. 

Portanto, há dois cenários possíveis nesse caso: o primeiro é o inquilino aderir ao direito de preferência e demonstrar interesse na compra do imóvel. Neste momento inicia-se as negociações referentes a valores, condições de pagamento etc.

E o segundo cenário é o inquilino não demonstrar interesse na aquisição do imóvel. Nesse caso ele está desistindo do negócio e concordando com a desocupação do local. Portanto, o locatário deve permitir visitações de possíveis compradores no imóvel.

Dicas de como você pode se posicionar nessa situação

Todo mundo que vive de aluguel precisa estar preparado para passar por essa situação. Mas o que fazer quando você se depara com este cenário? É algo que com certeza vai te pegar de surpresa, então é preciso tentar se antecipar ao máximo a esse “problema”. 

É claro que a grande maioria das pessoas sonham em adquirir uma casa própria, não é verdade? Mas para que isso acontece é importante que haja um planejamento financeiro bem estruturado e sejam feitas diversas ponderações para chegar ao momento de comprar um imóvel efetivamente.

Então nossa primeira e principal dica é: tente se planejar para adquirir a casa própria e sair do aluguel. Neste ponto, você precisa avaliar se você teria interesse em comprar o mesmo imóvel que você vive de aluguel atualmente. Caso haja esse interesse, entre em contato com o proprietário para conversar sobre a possibilidade de venda e condições do negócio.

Entretanto, comprar um imóvel pode não estar nos seus planos no seu atual momento de vida e está tudo bem também. Nesse caso você deverá realmente procurar um novo imóvel para morar.

E na Universal Imóveis você encontra as mais variadas opções de imóveis para Aluguel. Contamos com o maior acervo de Juiz de Fora, tudo para você encontrar a escolha perfeita para você. Clique aqui e confira!

Leia Também:  Dúvidas sobre aluguel: entenda quais são seus direitos e deveres
Direito Imobiliário: tudo o que você precisa saber sobre o tema
Quem paga o IPTU do imóvel alugado: locador ou locatário?

7 motivos para morar em Juiz de Fora


Afinal, quais são os benefícios de morar em Juiz de Fora? Se você não é da cidade e está pensando em se mudar, esse texto vai te ajudar a se decidir. A Princesa de Minas, como é conhecida, encanta a todos que aqui fazem moradia.

Seja por suas características climáticas, pelo cenário cultural ou pelos negócios em ascensão, a cidade tem se tornado opção de moradia de muitas pessoas. Fizemos uma lista com 10 motivos para morar em Juiz de Fora. Confira!


1. O clima da cidade

Morar em Juiz de Fora é ter que se acostumar com diferentes climas em um só dia. É frio, calor, chuva, tudo em menos de 24 horas. Então, se você vai se mudar para cá saiba que deve sempre sair com um guarda-chuva e um casaco na bolsa, porque o tempo pode virar a qualquer momento.

Há quem se incomode com tamanha instabilidade, mas tem aqueles que amam o clima mais ameno da cidade. Por aqui dificilmente a temperatura fica elevada por muitos dias, por isso, se você é uma pessoa que prefere frio e foge do calor, você com certeza vai se apaixonar por Juiz de Fora.


2. Cidade Universitária

A Universidade Federal de Juiz de Fora é uma das grandes forças da cidade. Não somente pelo fato de atrair milhares de estudantes na cidade, mas também por suas frentes culturais e de lazer.

A Universidade conta com diversas áreas de lazer para você aproveitar o dia, como o Jardim Sensorial, 200 metros de ciclovia na área central do campus, pista de skate de 350 metros na praça cívica, academia ao ar livre, parque infantil e muito mais.

Além disso, a instituição inaugurou recentemente o Jardim Botânico, um dos principais refúgios da Floresta Atlântica, em meio à área urbana.

3. Localização privilegiada

Juiz de Fora possui localização privilegiada entre os principais pólos econômicos e centros emissores da Região Sudeste: Rio de Janeiro, Belo Horizonte e São Paulo.

Portanto, a cidade se torna um ponto estratégico para quem precisa se locomover para um desses locais de forma facilitada.

4. Polo empresarial em ascensão

Principalmente por sua localização estratégica, Juiz de Fora tem atraído inúmeros empreendimentos que veem na cidade uma oportunidade de crescimento.

Só em 2018 a cidade abriu 784 empresas, contra 645 no mesmo período de 2017, um índice 22% maior. Esse crescimento significa que a cidade vem crescendo a cada ano, e com isso contribui para a criação de novos empregos, e melhoria da qualidade de vida dos moradores.

5. Cidade pacata

Muitas pessoas não conseguem se acostumar com a rotina conturbada de grandes metrópoles como Rio de Janeiro e São Paulo, por exemplo. É um trânsito caótico, problemas com transporte público, distâncias muitas longas entre certos serviços, dentre outros itens que podem acabar prejudicando sua qualidade de vida.

E Juiz de Fora nada mais é que um local com porte de cidade grande, que ao mesmo tempo mantém os aspectos positivos de uma cidade pequena. Aqui você e sua família pode levar uma vida mais tranquila e pacata e ainda encontrar quase tudo que encontraria nas grandes metrópoles.

6. Cenário gastronômico

Juiz de Fora traz uma gama enorme de bares e restaurantes com alto padrão. As opções são capazes de oferecer, desde comidas tipicamente mineira a pratos requintados da cozinha internacional.

Tem opção para todos os gostos. Veja aqui algumas dicas de restaurantes que você precisa conhecer no centro da cidade.

7. Cultura

Morar em Juiz de Fora é uma excelente opção para quem não abre mão de programas culturais. A cidade tem uma intensa vida cultural, com seu teatros, espaços culturais e galerias de artes. Ao longo do ano, sedia vários eventos que compõem o calendário oficial de eventos turísticos da cidade.

Espaços como o CCBM, o Cine Theatro Centro e o MAMM, por exemplo, estão sempre trazendo novidades artísticas para a cidade e movimentando o polo cultural de Juiz de Fora.

Leia também:
Qual o custo de vida em Juiz de Fora?
Os 5 melhores bairros de Juiz de Fora para morar
Aluguel sem fiador em Juiz de Fora: como alugar rápido?
Como alugar ou comprar imóvel em Juiz de Fora?